Início | Noticias | Noticias | Crise alérgica? Saiba como aliviar os sintomas no inverno

Crise alérgica? Saiba como aliviar os sintomas no inverno

Entre as doenças que mais aparecem no inverno está a rinite alérgica. Desconforto, nariz entupido, crises de espirro e coriza excessiva. É dura a vida de um alérgico em meados de julho. E muitas vezes, estes sintomas que são ignorados podem gerar sérias complicações, então, é fundamental a busca por tratamentos para a crise alérgica que alivie os sintomas, principalmente, na estação mais fria do ano.

A frequente congestão nasal obriga quem sofre com alergia a respirar pela boca o que pode gerar irritação na garganta, voz anasalada, ronco e demais distúrbios respiratórios do sono. Além disso, a respiração oral crônica, particularmente nas faixas etárias mais precoces, se associa a alterações de desenvolvimento facial e dentárias.

Outro agravante da estação é que as pessoas passam mais tempo dentro de casa ou em lugares fechados para se proteger do frio. E nestes ambientes, quem é alérgico sofre com substanciais que aguçam seu problema sendo primordial redobrar os cuidados contra os fungos, ácaros, poeira, pelo e saliva de animais domésticos, mofo, entre outros.

Sintomas

É importante dizer que a rinite alérgica não é uma infecção, e sim um processo inflamatório de hipersensibilidade da mucosa que reveste o nariz. Segundo alergologistas, a rinite não é contagiosa, não causa febre, não compromete o estado geral do paciente e costuma ter duração variável e depende da intensidade e frequência de exposição aos agentes causadores.

Ao contrário da rinite, resfriados e a gripes são causados por vírus. O primeiro é uma infecção que pode ser causada por inúmeros vírus, o mais comum é o Rhinovirus que desencadeia obstrução nasal, coriza, espirros e febre baixa. Já a gripe é ocasionada pelo vírus Influenza, que costuma provocar sintomas mais intensos que o resfriado, como febre alta e dores no corpo, além da obstrução nasal, tosse e espirros.

Tratamento

Segundo especialistas, o diagnóstico precoce e acompanhamento médico são fundamentais, uma vez que o paciente pode ser tratado preventivamente para evitar as crises decorrentes da rinite alérgica.  Para algumas pessoas, fatores irritativos como o ar poluído da cidade ou alérgenos respiratórios, como a poeira doméstica são suficientes para começar a espirrar e sentir coceira no nariz. Por isso que o tratamento adequado possibilita o controle da doença e permite uma melhor qualidade de vida.

O tratamento da doença nem sempre é complicado. Os medicamentos mais frequentemente usados são os antihistamínicos e os corticóides nasais. Geralmente, as rinites tem caráter hereditário. Por exemplo, se um casal de alérgicos tem um filho, a chance de a criança ser alérgica é de aproximadamente 50%. Porém, mesmo que nenhum dos pais apresente alergia, a criança ainda assim pode ter manifestações da rinite.

Por tudo isso, é possível entender que o melhor caminho é buscar o tratamento adequado frequente com acompanhamento médico, além de prezar pela ventilação do ambiente se livrando de fungos e ácaros. Desse modo, quando a temperatura cair, os efeitos vão estar mais brandos e controlados e você terá mais qualidade de vida.